top of page

Indicado ao Oscar, "Eu, Capitão" chega aos cinemas em 29 de fevereiro



“Eu, Capitão é fruto de várias histórias entrelaçadas de jovens que vivenciaram a travessia da África para a Europa. Ao ouvir os seus testemunhos, ficou claro para mim que suas histórias eram provavelmente as únicas possíveis narrativas épicas dos nossos tempos”, assim o cineasta Matteo Garrone define seu novo trabalho, que concorre ao Oscar 2024 na categoria Melhor Filme Internacional e chega aos cinemas brasileiros em 29 de fevereiro.


Ganhador de diversos prêmios no Festival de Veneza, entre eles de direção, o filme acompanha a jornada épica de dois adolescentes senegaleses, Seydou (Seydou Sarr) e Moussa (Moustapha Fall), que deixam Dakar e partem rumo a Europa. A viagem, no entanto, é repleta de obstáculos que, entre outras coisas, mostram o que pode haver de pior no mundo, desumanizando os dois rapazes.


Garrone, que assina o roteiro com Massimo Ceccherini, Massimo Gaudioso e Andrea Tagliaferri, explica que conhecia as histórias de imigração apenas pela mídia que costuma narrar apenas os últimos lances dessas jornadas. A ele, interessava também saber o que acontece antes das pessoas chegarem na Europa.


“Ao visitar um centro de acolhimento para menores em Catânia, Itália, ouvi a história convincente de um jovem africano que, ainda com 15 anos, conduziu um barco durante todo o caminho para a costa italiana, salvando assim a vida de todos os seus passageiros”, conta o cineasta.


Com o filme, Garrone pretende trazer imagens completamente opostas àquelas perpetuadas pela mídia tradicional, narrando a partir do ponto de vista dos imigrantes, para que eles mesmos possam contar suas jornadas com seus perigos e superações.


“Para poder contar sua história repleta de perigos por dentro, tive que mergulhar no mundo deles, que é tão distante do meu. Para conseguir isso, tive que construir uma relação de colaboração constante com meninas e meninos que viveram uma situação horrível e que me orientaram durante a concepção do filme. Durante muito tempo, tive dúvidas sobre a minha legitimidade para contar esta história, mas é a história deles que eu conto.”


Mamadou Kouassi Pli Adama, ele mesmo um imigrante e colaborador no roteiro, explica que conheceu Garrone em 2019 quando foi apresentado por uma jornalista que pesquisava sobre o assunto. “O processo de produção do filme me permitiu contar a nossa história, recontar nosso sofrimento, descrever a nossa vida, as nossas tradições, as nossas culturas. O filme é uma possibilidade de compartilhar tudo isso com as gerações de hoje e as de amanhã. O cinema, como meio, dá voz às pessoas que não têm uma.”


Garrone confessa que o processo de escolha de elenco foi trabalhoso e aconteceu na África e na Europa. “Por fim, o mais sensato e eficaz era trabalhar com atores senegaleses muito jovens que nunca tinham saído do seu país, mas que, como a maioria de sua geração, sonha em viver em outro lugar. Encontrei assim o meu perfeito Seydou no ator Seydou Sarr (ganhador do Prêmio de ator no Festival de Cinema de Veneza de 2023).”


Sinopse

Seydou e Moussa são dois adolescentes senegaleses que partem de Dakar rumo à Europa, em uma odisseia contemporânea, superando uma série de obstáculos. Essa grande aventura nos conduz pelos perigos do deserto e do mar, pelas ambiguidades e pelas contradições do ser humano, na qual os sonhos, esperanças e ambições dos personagens principais se transformam em luta por sobrevivência.



9 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page