top of page

De Débora Mamber Czeresnia, "Um Samurai em São Paulo" estreia dia 30 de março



Quando tinha 20 anos de idade, a roteirista Débora Mamber Czeresnia procurou as artes marciais para se fortalecer. Na academia Butoku-kan, em Pinheiros (SP), comandada pelo japonês Taketo Okuda, ela se surpreendeu com o que descobriu. “Desde o primeiro soco, fui fisgada. Acompanhando Okuda em sua forma de ensinar, sempre treinando junto com os alunos, não podia deixar de observar sua obstinação, seu empenho, sua atenção aos detalhes, e a força que exprimia na prática.”


A vida e a obra de Okuda são o tema de seu primeiro filme como diretora, o documentário Um Samurai em São Paulo, que chega aos cinemas em 30 de março, com distribuição da Elo Studios, como parte do Selo ELAS, uma iniciativa que fomenta filmes feitos por mulheres na intenção de ajudar na equidade de gênero do setor.


Débora se coloca como narradora do filme, resgata também sua experiência e memórias ao lado do mestre, falecido no início de 2022 aos 79 anos depois de mais de seis décadas dedicadas à arte marcial das mãos vazias. “Ser aluna de Okuda me fazia querer dar o melhor de mim a cada golpe, não importando o cansaço, a preguiça, as dores no corpo, as frustrações da vida.”


“Okuda foi um grande guerreiro. Mesmo com idade já avançada, ninguém ousava ficar frente a frente com ele numa luta. Ao mesmo tempo, sua prática era o oposto da agressividade. Para ele, o karatê era uma maneira de se conectar com a natureza e com o universo.”

Discípulo de Masatoshi Nakayama, responsável pela difusão do karatê Shotokan no Ocidente, Okuda se mudou para o Brasil na década de 1970 incumbido da missão de ensinar as técnicas da Associação Japonesa de Karatê. A partir de então, formou uma geração de atletas que marca o desenvolvimento da modalidade no país. Com a morte de seu mestre, nos anos 1980, afastou-se das competições esportivas e passou a usar a prática como ferramenta para alcançar a transcendência.

“A trajetória de Okuda foi marcada pela infância no Japão pós-Segunda Guerra Mundial. O paralelo entre a vida desse imigrante e a de meus avós, também sobreviventes do Holocausto, foi se costurando à medida que o documentário se construía. Ao longo dos dez anos que levei para realizar o filme, percebi o quanto a batalha que minha avó travou é ainda hoje inseparável do meu modo de ver o mundo, e entendi outros significados da luta e da resistência de povos da diáspora.”

Dessa forma, Um Samurai em São Paulo explora esse encontro entre uma judia brasileira e um japonês, ambos atravessados pelos traumas de regimes fascistas. “Por tudo o que ele representava, sinto que sua história conversa muito com a situação que vivemos hoje, carregada de uma hostilidade imensa. Nós, judeus, sabemos bem as consequências de discursos que demonizam o outro, o diferente.”

Um Samurai em São Paulo será lançado no Brasil pela Elo Studios.


Sinopse

O japonês Taketo Okuda foi um dos grandes mestres de karatê dos nossos tempos. Marcado pela infância na Segunda Guerra e preparado para ser um guerreiro pronto para matar ou morrer, Okuda foi enviado ao Brasil para difundir a arte marcial das mãos vazias. Sua trajetória, de professor de campeões a um mestre em busca da transcendência, é narrada por uma de suas alunas, uma brasileira neta de sobreviventes do Holocausto. Esse encontro de dois personagens tão distintos investiga os significados profundos da arte marcial e da autodefesa diante de um mundo ameaçador.

Comments


bottom of page