"O Homem do Norte" (2022)



Com apenas três longas-metragens em seu currículo, Robert Eggers já se estabeleceu como um auteur, um cineasta com uma visão única e projetos estilisticamente e narrativamente coesos. Com um pé no passado e outro no terror, Eggers tornou a histeria puritana tangível em A Bruxa (2015) e versou sobre o a solidão e o isolamento humano em O Farol (2019). Pela primeira vez com os recursos de um grande estúdio à sua disposição, Eggers viajou ao século 10 e trouxe à vida O Homem do Norte, uma história de vingança de proporções épicas e alto valor de produção.


Em O Homem do Norte, o jovem príncipe Amleth testemunha o assassinato de seu pai, o rei Aurvandil (Ethan Hawke), pelas mãos de seu ambicioso tio Fjölnir (Claes Bang), que toma o reino e a esposa do irmão, a rainha Gudrún (Nicole Kidman), para si. Forçado a fugir para salvar a própria vida, Amleth jura que voltará para vingar o pai, salvar a mãe e matar o tio. Anos depois, o já adulto Amleth (Alexander Skarsgård), agora um temido guerreiro viking, se depara com uma vidente que o coloca novamente em seu caminho rumo à vingança. Nesta jornada, ele conhece Olga (Anya Taylor-Joy), e descobre novas razões para lutar.


Há, em O Homem do Norte, um palpável esforço para criar um universo viking autêntico, visualmente e tematicamente. Costumes e tradições, rituais e lendas ganham vida, sempre permeados pela violência que tornou aqueles guerreiros lendários, homens cuja maior ambição era uma morte sangrenta. Unindo história e mito, Eggers cria uma experiência imersiva que deve atrair diferentes públicos, em busca de diferentes características do filme.


De forma semelhante aos projetos anteriores de Eggers, que tematicamente se inclinavam para o terror, O Homem do Norte tem sequências assustadoras, mas segue na direção do gore. Violência e vingança clamam por sangue, e este é um filme que mergulha em sangue, suor e horror corporal. Em seu pequeno, mas significativo, corpo de trabalho, Eggers demonstra uma busca em tornar o passado concreto, real. Aqui, lendas diáfanas ganham corporalidade e se tornam fatos para os personagens e para o espectador.


Enquanto a direção de Eggers se mostra complexa, seu roteiro, escrito em parceria com Sjón, tem uma estrutura relativamente simples: Amleth busca vingança pelos crimes cometidos contra sua família. O protagonista é vivido por Skarsgård com uma força e determinação que igualam sua potente presença física. Amleth tem um destino, e nada pode desviá-lo de seu objetivo. A Olga de Anya Taylor-Joy e a rainha Gudrún de Nicole Kidman também se revelam personagens fortes e tão interessantes quanto o guerreiro que dá nome ao filme. Merecem destaque também os personagens de Willem Dafoe e Björk.


Com 2h e 17 minutos de projeção, O Homem do Norte é um filme com forte direção artística e orçamento de blockbuster, e deve surpreender aqueles que se encantarem apenas por sua campanha de marketing. Uma grande produção que resistiu às investidas do comitê de executivos hollywoodianos responsáveis por ceifar incontáveis cineastas inovadores.



14 visualizações0 comentário